Início Dicas de Bem-Estar Amor Como identificar, mudar padrões de relacionamento e ser feliz?

Como identificar, mudar padrões de relacionamento e ser feliz?

0
458

Você deve ter um amigo ou amiga que termina um relacionamento problemático e logo inicia outro que se mostra bem similar. Quem sabe essa pessoa seja você e não um amigo, não é mesmo? O fato é que precisamos reconhecer os padrões de relacionamento se quisermos mais leveza e felicidade em nossas vidas.

Não é raro corrermos atrás da felicidade por meio de um padrão de relacionamento ideal. E essa idealização pode ocorrer de algumas formas: observação durante a infância e imposições sofridas.

Às vezes tentamos fugir do estilo de relacionamento disfuncional da família e acabamos caindo em outro tipo de armadilha com muitas similaridades. Está ficando confuso? Calma que daremos alguns exemplos ao longo do texto.

Inclusive, vamos começar com um bem simbólico. Vamos supor que uma amiga sua tenha sido criada em um lar no qual o pai bebia demais, causava situações de violência e tinha completo descaso pela família.

Na vida adulta, ela abomina bebidas alcoólicas e procura se relacionar com pessoas que não bebam. Entretanto, ela é infeliz em um relacionamento no qual o namorado dedica muitas horas a jogos eletrônicos, a deixando em segundo plano.

Consegue perceber que a nossa personagem do exemplo apenas “tentou” fugir do padrão de relacionamento, mas caiu em uma mesma situação? Ela só trocou alguém com compulsão por bebidas por uma pessoa com compulsão por jogos.

Se a curiosidade apareceu por aí e quer saber mais como fugir dessas enrascadas e ter domínio sobre sua vida amorosa, continue nos acompanhando.

Como identificar padrões de relacionamento?

Existem inúmeras formas de fazer isso e uma delas é começar por uma análise da sua vida na infância e associar aos relacionamentos amorosos que teve. Não é uma tarefa fácil e o ideal é ter alguém auxiliando você.

Terapeutas, psicólogos, psiquiatras, numerólogos, tarólogos, sensitivos e mais uma série de profissionais podem auxiliar nesse processo. Mas se você quer começar sozinha, aqui vão algumas dicas:

  • Quais eram os grandes problemas familiares na infância e adolescência?
  • Como foram seus últimos relacionamentos?
  • Qual a relação do que deixava você triste na infância com o que deixa você triste agora em um relacionamento?

Complexo, não é mesmo? Por isso, você pode seguir duas linhas bem distintas, mas que se complementam: terapias ocidentais (psicólogo e psiquiatra) e terapias holísticas orientais (numerologia, mapa astral, radiônica…).

Qualquer profissional habilitado poderá auxiliar neste sentido e, certamente, você sentirá um certo alívio após desvendar esse mistério de sua vida.

Como quebrar padrões de relacionamento?

Para quebrar padrões de relacionamento você deve:

  • Ter plena consciência de que o padrão de relacionamento existe
  • Optar conscientemente por não repetir mais esse padrão em sua vida
  • Entender com profundidade os benefícios de quebrar esse ciclo
  • Admitir que o padrão de relacionamento ocorreu não só com você e reconhecer que não é um fardo seu
  • Escolher um novo caminho

Não é uma tarefa fácil, mas você já sabe por onde começar. Identificar que existe um padrão de relacionamento em sua vida torna todos os outros processos muito mais fáceis.

Aliás, é possível ter um vislumbre do quão boa e feliz pode ser a sua vida sem as situações repetitivas que tiram a alegria de viver o amor. Viu como pode ser interessante?

Por isso, escolher um novo caminho é necessário para conseguir viver o amor plenamente, com todas as forças. Mas como fazer isso?

Como mudar o padrão de relacionamento?

O primeiro passo é registrar que tipo de padrão de relacionamento você não quer mais. Hoje em dia, você pode anotar em um papel, gravar uma mensagem para você mesmo ou até fazer um vídeo.

Não importa como vai fazer, o que importa é registrar o padrão de relacionamento que não é saudável. O segundo passo é lembrar disso constantemente, para que você evite repetir os mesmos erros.

Padrões repetitivos de relacionamento tendem a começar da mesma forma. Por exemplo, você costuma encontrar parceiros(as) só em balada e nas últimas vezes foi desastroso. Que tal evitar se relacionar amorosamente com pessoas dessa esfera das festas?

Lembre-se que fazer as mesmas coisas esperando resultados diferentes é insanidade. Botar sal na água esperando que o sabor seja doce é pouco produtivo, não acha?

Por último, lembre-se das vantagens em quebrar esse padrão pouco frutífero e que trazem tanto sofrimento.

Exemplos de padrões de relacionamento que são prejudiciais

Cresceu em uma família muito controladora e namora uma pessoa ciumenta

Padrões de relacionamento

“Você não pode ir na casa do seu amigo porque nós somos a sua família e precisamos sempre ficar juntos” ou “você não vai fazer vestibular para esse curso”. Essas são algumas das frases de uma família controladora.

Vontade própria não tinha vez e nem havia espaço para chorar. Tinha que sempre esconder os sentimentos e seguir as ordens da família ou parente controlador.

Na vida adulta, essa pessoa pode se envolver com alguém controlador, que não permite sair com determinada roupa, ou mudar de emprego e até mesmo interfere em cortes de cabelo.

Não repita esse padrão de relacionamento em sua vida. Quem deve saber o que é bom ou não para você é… VOCÊ. Entretanto, não confunda opinião com alguém obrigando você a fazer algo.

Em um relacionamento deve haver trocas. Nunca imposições, ok?

Cresceu em uma família exigente e namora uma pessoa dominadora

“Parabéns por notas boas? Não fez mais que a obrigação” ou “Menos que nota 10 é inaceitável! Não faz nada além de estudar, então o mínimo é a excelência”. Já ouviu alguma frase assim? Ou algo relacionado a cuidar da casa e estudar serem obrigações quando você era criança.

Saiba que essa é uma família ou parente muito exigente, que espremia você até a última gota. Uma nota ruim era sinônimo de fracasso ou uma louça não muito bem lavada era uma falha grave. 

Crescer nesse meio e sem uma boa orientação pode encaminhar você para um relacionamento com alguém dominador, que indica o que você tem que fazer, crítica suas ações e, o pior, você ainda busca a aprovação.

Respeite seus limites e jamais se envolva com alguém que gosta de te jogar para baixo ao invés de exaltar suas qualidades.

Por fim, agora que você já sabe identificar e quebrar padrões de relacionamento que são abusivos ou pouco construtivos, mude de vida. Busque a felicidade e a reciprocidade. O amor deve ser leve e trazer aconchego, jamais medo e tristeza.

Um grande beijo e até a próxima!✨❤️💗

5/5 - (1 vote)

Estamos Online