Início Dicas de Bem-Estar Autoconhecimento Diferença entre solidão e solitude – Será que você está vivendo o...

Diferença entre solidão e solitude – Será que você está vivendo o seu melhor?

0
330
diferença entre solidão e solitude

Você vive a solitude ou se ilude na solidão?

Aqui vamos falar sobre a diferença entre solidão e solitude. Você já parou para pensar como a solidão é viciante? Ou melhor, será que o significado de solitude pode ser aplicado facilmente em nossa vida? E ainda, como enfrentar a solidão e passar a viver a solitude em sua rotina?

Pare, pense e responda para você!

  • Você se considera alguém solitário?
  • Numa escala de 0 a 10 em níveis de solidão, em qual nível você se sente?
  • Você sabe a diferença entre solidão e solitude? Você sabia que uma tem o poder de te levantar para a vida, te impulsionar para realizar seus sonhos e a outra, pode te destruir por completo? 

Mas calma, viver sozinho precisa ser um momento de sua vida, e não um estilo do qual você quer enfrentar seus dias. Se ainda assim, você está aflito, pode buscar ajuda em uma das ferramentas mais antigas do mundo místico: o tarot! Ele é capaz de te direcionar para que você consiga tomar as decisões certas e potencializar suas qualidades. Se interessou? Clique Aqui!

Mas afinal, o que é a solidão, e como identificar isso em mim?

A solidão se tornou um problema real na sociedade contemporânea. No Reino Unido foi chamada de “epidemia oculta”. O governo britânico reconheceu que a solidão pode causar problemas que vão muito além de fazer pessoas ficarem tristes. É um risco à saúde pública, e por isso, foi causa da criação do Ministério da Solidão, para lidar com esse problema que atinge cerca de 15% da população Inglesa, a pesquisa é de 2018. 

De modo geral, a solidão pode ser descrita como

  • Ficar muito sozinho involuntariamente, perder vínculos, estar isolado;
  • Estado de profunda separação – depressão, ansiedade, rejeição, ressentimento, insegurança. A morte de alguém ou o término de uma relação duradoura.
  • Abandono, ser deixado sozinho, não ter ninguém para conversar;
  • Falta de identificação com o ambiente, depois de uma mudança de trabalho, cidade, escola, relacionamentos;
  • Pressão alta, dor nos músculos e articulações, insônia.

Então, se você se identificou com algum ou todos esses tópicos, continue aqui comigo que vou te contar coisas muito interessantes, e que certamente podem te ajudar!

A solidão é viciante – saiba diferenciar!

De antemão já aviso que a solidão é viciante e eu mesmo já experimentei na pele o que é ficar preso nesse vórtice! Mas comigo aconteceu por acreditar que poderia transformar um momento extremamente triste da minha vida, em aprendizado. Quis forçar uma coisa boa acontecer no meio de uma confusão terrível, e me enganei por algum tempo achando que ruminar na solidão era o melhor a se fazer.

Ou seja, é completamente tendencioso à pessoa que está solitária, concluir que o melhor a se fazer é se afastar de todo mundo! A solidão nos engana, nos faz pensar que se afastar de pessoas que amamos, desfazer laços que temos, cortar os vínculos, é a solução para a tristeza; e é nesse momento que você passa a acreditar que ninguém te entende, gosta ou quer ficar perto de você. Mas cuidado, isso são os efeitos da solidão agindo sobre sua mente. 

Por ser um pouco solitário, e preso dentro desse ciclo, passei a procurar escritores que falassem sobre o tema; um dia eu ouvi falar sobre o movimento existencialista. Movimento “com o pé” na filosofia e que surgiu entre os séculos XIX e XX onde os pensadores deliberavam acerca da existência humana e do sentido da vida. Um pensador em específico me chamou muita atenção, Jean Paul Sartre, autor de “A Náusea” 

Jean Paul Sartre – diferença entre solidão e solitude

Do engano da solidão à libertação da mente

A princípio, Sartre era jovem, ainda tinha muita coisa para acontecer em sua vida, inclusive passar pelas mazelas de uma guerra – o que culminaria em uma mudança de seu pensamento existencialista.

Mas antes de passar por esses momentos marcantes, Sartre discorria em um diário, sobre seu dia a dia, e como experimentava a solidão e a angústia existencial que lhe causavam náuseas.

Nesse diário ele conta sobre seus dias repletos de coisas que lhe causavam aversão, enjoo, e curiosidade, mas que no fim não passavam de efemeridades supérfluas, e que não o ajudavam na busca pelo sentido real da existência. Ele era cercado de grandes pessoas, escritores, atendentes de restaurantes, amigos, e por aí vai. Ou seja, ele não era alguém que vivia sozinho!

Todavia, ele sentia muita solidão por não considerar sua existência como algo relevante para o mundo, ia de casa à biblioteca, ao bar, visitar amigos, andar sem destino pelas ruas, mas nada disso era capaz de o preencher, e com isso o vazio, a angústia existencial, e consequentemente as náuseas, o dominavam por completo, tornando-o cada vez mais solitário. 

Por fim, depois de algum tempo ele passou por processos que o mostraram que o sentido da vida está em tornar essa experiência terrena, algo completo em si mesmo. Ele viu o mecanismo da vida como uma teia, que precisa ser tecida em conjunto por todos nós, para que façamos a vida ter sentido; com a bondade, alegria, caridade e paz. 

Construindo uma rede de apoio! – diferença entre solidão e solitude

Em primeiro lugar, é importante entender que a solidão está tão presente na vida das pessoas, que funciona quase como um esquema de pirâmide:

  • Você se sente sozinho;
  • Em seguida se isola das pessoas;
  • Passa a acreditar que ninguém pode te entender e te acolher;
  • Acha que seu problema é único e por isso se fecha dentro de si mesmo.

Já pensou se seu vizinho faz a mesma coisa? Ou aquele senhor que mora mais para baixo, se aposenta e por não ter muita perspectiva, cai no emaranhado dos sentimentos da solidão? E pior, e aquela sua amiga que terminou um casamento e também entra nessa? Assim, entraremos em um isolamento, não saudável. Onde a tendência é fazer com que você não tenha trocas sociais, se fechando cada qual em seu mundo particular. 

Percebe que o esquema vai se sustentando, cada vez que alguém entra nele?

Agora, imagine o contrário, você se sente triste e conversa com sua amiga, ela te dá algum apoio e depois você descobre que ela também está triste, mas por causa do término do relacionamento, uma passa a apoiar a outra para que saim juntas dessa, pois uma quer o bem da outra! Depois as duas encontram o senhorzinho no fim da rua e param para conversar com ele, ele automaticamente se sente lembrado, notado por alguém e se sente mais alegre. 

Esse raciocínio parece raso e muito singular. Mas, na prática pode dar grandes resultados.

Benefícios – diferença entre solidão e solitude

Em síntese, esses são os benefícios de viver em “comum unidade”. Vamos pela linha de pensamentos que Sartre descobriu depois de passar por uma guerra:

“O sentido da vida é dar sentido a ela!”

Também é tecer uma teia de relações e ajuda, acolhimento mútuo. É estar consciente de que você toma suas próprias decisões, com isso, você decide o seu futuro e o daqueles que estão perto de você. 

Acima de tudo, enxergar o próximo é se encontrar nele; ajudá-lo a se recompor de um trauma, ou de um momento de angústia, é plantar força para colher apoio quando você também precisar! Existe uma passagem na Bíblia que nos ensina sobre isso:

É melhor dar do que receber

A diferença entre solidão e solitude

Significado de Solitude

Antes de qualquer coisa, o estado de solitude é algo totalmente voluntário, ou seja, o indivíduo deve escolher estar assim. Vamos lá! O que é solitude? 

Em suma, solitude é o estado de autocontemplação, quando o indivíduo passa a se reconhecer e observar o seu interior. Está associada à alegria, sentimentos positivos em relação a si mesmo, a estar sozinho, em sua própria companhia.

Ao optar pela solitude o indivíduo passa a priorizar e entender suas questões internas, seus medos e traumas. Geralmente escolher estar sozinho de forma saudável, diz respeito à disposição da pessoa em melhorar a si mesmo.

Mas precisamos tomar cuidado, se você é alguém solitário não deve tentar a solitude involuntária, você primeiro precisa sair dessa caixa vazia em que se encontra, caso contrário, pode se deparar com coisas piores, como, depressão, ansiedade, e vários outros complexos desencadeados por forçar seu corpo e sua mente à situações extremas de isolamento. 

Por fim, quando você tomar a decisão e optar pela solitude, vai descobrir o tanto de potencial que há dentro de você! Vai descobrir sua capacidade de enfrentar e solucionar seus problemas internos. Não vai mais ter medo de ficar sozinho, por ter plena consciência de que atrai sempre coisas boas em sua direção.

Solitude é isso, estar bem consigo mesmo, ser capaz de compreender a si mesmo!

Não se vicie na solidão!

Te convido a sair da sua zona de conforto! ❤

É muito triste encontrar alguém preso à solidão, e também quando nós estamos nessa situação. Mas para não cair no vício da solidão, que já falamos antes, é necessário estar disposto a sair da zona de “conforto” e encarar os desafios que terá para superar esse obstáculo!

Alerta de relatos pessoais!

Há alguns anos, perdi minha mãe, e isso me lançou num lugar de desespero, solidão e angústia. Mas passei por algum período em tratamento com psicólogo, e isso me ajudou a superar a solidão que estava encarando.

Nessa época, eu entrei num processo de introspecção e deixei todos os meus amigos, todas as minhas redes de apoio e me isolei! Foi na terapia que me senti desafiado a refazer esses laços, a me aproximar novamente de quem eu havia me afastado. Isso foi o primeiro e mais importante passo para a minha recuperação. 

Reconhecer a importância das pessoas e a troca de experiências que elas nos oferecem, é primordial. Encontrei muito apoio perto dos meus amigos. Depois foi trabalhando as dores internas e os complexos que a solidão plantou em minha mente, que consegui me erguer mais um pouco em direção a plenitude de vida.

Claro que não é num estalar de dedos que as coisas se resolvem, mas também não é impossível! Depois disso, o conselho foi: siga praticando o autoconhecimento, só assim você poderá lidar com as suas questões internas, e se tornar um ser de luz! ✨


“Como o Tarot pode me ajudar a sair da solidão?”

Em conclusão, é muito importante reconhecer quando precisamos de ajuda para superar um obstáculo. Por isso, para alcançar uma melhora, para fugir da solidão, existem muitas pessoas capacitadas para te ajudar a encontrar um caminho bom. Exemplo disso são os tarólogos da iQui, que são preparados para te ajudar com:

  • A tomada de boas decisões para o futuro;
  • Compreender o passado e o presente;
  • Ter consciência dos seus pontos fortes e fracos;
  • Ter mais responsabilidade nas atitudes sobre outras pessoas;
  • Usar nosso poder e luz interior de forma plena e eficaz.

Além disso, um ótimo guia para te ajudar a sair dessa solidão que você enfrenta, são os benefícios encontrados no tarot.

São 78 cartas, que escondem muitos segredos. É dividida em dois grupos, os Arcanos Maiores e os Arcanos Menores. Os Arcanos Menores representam, em suma, a personalidade do homem; os Arcanos Maiores representam o oculto, a individualidade.

Logo, fazer uma consulta com um tarólogo, é ter uma abertura para desvendar seu inconsciente, e assim descobrir as causas que afetam o seu cotidiano. Isso também te auxiliará muito na tomada de decisões, e certamente trará luz para o seu caminho. Os artifícios para você vencer a solidão estão ao alcance de sua mão, basta ter coragem e tomar a iniciativa do primeiro passo!

Comece hoje, transforme suas vivências inteiras, aqui!

Espero que vocês tenham gostado.

Beijos e até a próxima!

Rate this post

Estamos Online