Início Espiritualidade Wicca Como é ser bruxa atualmente?

Como é ser bruxa atualmente?

0
547
bruxa

Certamente você tem uma amiga ou colega que se define como sendo bruxa. Pode ser que ela diga isso por gostar de cristais, incensos ou até mesmo por se sentir um pouco “sensitiva” sobre diversas questões. Porém, a bruxaria é uma religião, não dogmática, mas para ser bruxa não basta somente gostar dos elementos da natureza.

A figura da bruxa

Na idade média constantes tentativas de derrotar a heresia trouxeram à luz várias figuras que eram difíceis de reconciliar com o cristianismo. Essas figuras eram tipicamente criadas sem nenhuma referência à bruxaria, mas levaram à criação da figura da bruxa herege.

Uma dessas figuras era peculiar aos Alpes ocidentais. Ela era a personificação feminina do inverno, uma figura feminina freqüentemente chamada de Bertha, Perchta ou Befana. Ela puniu a desobediência social e recompensou a “bondade”. Ela sempre foi retratada como uma velha bruxa, porque representava o frio e o inverno. Não demorou muito para que os intelectuais notassem sua semelhança com as bruxas com as quais estavam familiarizados na literatura clássica.

Os contos infantis e domésticos de Jacob e Wilhelm Grimm – conhecidos mais popularmente hoje como Contos de fadas de Grimm – foram duramente criticados em sua impressão original pelo sexo explícito e violência que continham, tornando-os bastante inadequados para as crianças e para a família. No entanto, os Irmãos Grimm Tales contêm duas histórias, “Branca de Neve” e “João e Maria”, que caracterizam alguns dos bruxos mais emblemáticos da cultura popular. Tanto a madrasta de “Branca de Neve” quanto a bruxa da floresta de “João e Maria”, que mais come os filhos do que os produz e cria, são perversões da mãe virtuosa e arrependida: o símbolo ideal da feminilidade aos olhos da igreja.

Lentamente, e em pedaços, a ideia da bruxa emergiu. As pessoas acreditavam que uma bruxa era uma pessoa que empregava entidades mágica no intuito de prejudicar outras pessoas.

Hollywood e os contos de fadas contribuíram para uma visualização negativa da bruxa. Assim como o período sufragista (no fim do século XIX e início do século XX) associaram a imagem das mulheres feministas com as bruxas da literatura, em uma tentativa de desacreditar o movimento.

História da bruxaria

No que diz respeito ao fascínio popular, poucos resistiram por tanto tempo, ou criaram uma bibliografia tão robusta, quanto as bruxas. Enquanto a palavra “bruxa” tem suas raízes etimológicas (wicce) no inglês antigo, o conceito tem antecedentes muito mais antigos e geograficamente difundidos.

Relatos escritos de mulheres que praticam magia são tão antigos quanto a história registrada e continuam até os dias atuais (até esta semana), com dois livros muito comentados: Witches of America de Alex Mar e The Witches: Salem, de Stacy Schiff , 1962. E embora haja um amplo espectro de histórias de bruxas por aí, há uma linha transversal comum a todas elas: bruxas são mulheres cuja personificação da feminilidade de alguma forma transgride os limites aceitos pela sociedade – elas são muito velhas, muito poderosas, muito sexualmente agressivas, muito vaidosas e desejáveis.

De Morgana à Hermione

Referenciada pela primeira vez em Vita Merlini de Geoffrey de Monmouth , Morgan le Fay foi uma feiticeira-antagonista da lenda arturiana cujo nome foi traduzido em tantas grafias diferentes que praticamente constitui um ato de bruxaria em si mesmo. Da mesma forma que Hecate, a narrativa de Morgan le Fay foi escurecendo com o tempo. Retratada como uma curandeira nos primeiros romances de cavalaria de Monmouth e Chrétien de Troyes, ela aparece nas histórias medievais posteriores como a meia-irmã e amarga adversária do Rei Arthur, conspiradora contra Excalibur, aprendiz de Merlin e tentadora sexualmente ameaçadora cujo amor obsessivo pois Lancelot não é correspondido. No entanto, mesmo em sua forma mais inequivocamente vil, é Morgan le Fay quem carrega um Arthur ferido para a ilha de Avalon depois que ele é ferido na Batalha de Camlann.

Mas, talvez ninguém tenha feito mais para redimir o termo “bruxa” do que JK Rowling, cujos livros venderam, até o momento, mais de 450 milhões de cópias. No universo de Harry Potter , “bruxa” é um título livre de implicações históricas negativas, servindo apenas como a contraparte feminina de “bruxo”. Na série de Rowling, praticar as Artes das Trevas não é um assunto particularmente de gênero, nem as mulheres malfeitoras são uniformemente cansadas ou deslumbrantes. E embora todos nós saibamos que Harry, o menino que sobreviveu, é indiscutivelmente o alfa e o ômega desses livros, talvez ninguém se mostre mais engenhoso, capaz e talentoso do que a jovem Hermione Granger: “A bruxa mais brilhante de sua idade”.

Ser bruxa HOJE

Wicca

A Wicca centra-se nas crenças pré-cristãs de que a Magick existe dentro do universo e é praticada de uma forma que honra a natureza e os elementos. A Wicca também é uma religião neopagã, e a maioria das crenças da Wicca são as mesmas que as crenças pagãs, exceto sem as mesmas divindades do paganismo. Existem apenas duas divindades na Wicca – o Deus e a Deusa.

Eles também são chamados às vezes de Deus Chifrudo e Deusa da Lua.
Em um nível muito básico, essas duas divindades representam as forças masculinas e femininas da natureza e do universo. A natureza relativamente simples das divindades Wiccanas é o que permite que a prática se sobreponha às divindades de outras religiões. No final das contas, a Wicca é diferente do Paganismo porque permite mais liberdade religiosa, dependendo das preferências do praticante. O paganismo tem divindades estritas que deve-se adorar para ser pagão. Na Wicca, no entanto, as divindades não precisam ser adoradas dessa forma – elas simplesmente existem como forças opostas da natureza. Não importa as divindades, a Bruxa praticante deve sempre seguir a Rede Wiccan, “Como não faz mal a ninguém, faça o que quiseres.”

Gerald Gardner 

O primeiro e talvez o mais famoso wiccaniano foi Gerald Gardner, um ocultista britânico nascido em 1884. Em 1934, ele se juntou ao New Forest Coven, um grupo de bruxas que praticavam sua própria magia de uma forma ligeiramente diferente do paganismo. Gardner continuou a trabalhar com os ensinamentos de Aleister Crowley – outro ocultista britânico que se envolveu com a feitiçaria – para fundar a religião moderna Wicca. Sua prática começou a se espalhar da Grã-Bretanha para a Austrália e os Estados Unidos nas décadas de 1950 e 1960.

O desenvolvimento da Wicca por Gardner começou a mudar a percepção da sociedade sobre a feitiçaria para uma luz mais positiva. Ao longo da história antes dele, a feitiçaria era vista como bárbara e frequentemente associada à adoração do diabo.

Gardner também iniciou uma era em que os homens podiam ser vistos como bruxos. Antes da criação oficial da Wicca, os acusados de bruxaria como prática blasfema eram quase exclusivamente mulheres. Uma mulher que se destacasse por ser muito promíscua, inteligente ou independente poderia ser acusada de ser Bruxa por se desviar das expectativas das mulheres da época. Os homens raramente eram acusados de serem bruxos e, se fossem, geralmente era apenas se fossem homossexuais ou extravagantes.

A feitiçaria pode ter existido desde o início da civilização, mas cresceu e mudou ao longo dos séculos. A criação da Wicca em 1950 torna toda a prática muito nova e desconhecida para muitas pessoas. À medida que a definição de Bruxa cresce e as visões da sociedade em torno da prática tornam-se mais positivas, é importante que mesmo aqueles que não praticam a Bruxaria entendam o que significa ser Bruxa.

Como ser bruxa hoje?

  • Celebre os Sabbats: os Sabbats são oito rituais que acontecem ao longo de um ano e que contemplam as mudanças das estações da natureza.
  • Celebre os Esbats: os rituais de lua cheia são momentos de poder para todas as bruxas. São 13 celebrações ao longo de um ano e comemora-se a face Mãe da lua.
  • Respeite a natureza: animais, plantas… todos os seres vivos são filhos da Deusa. E todos devem ser respeitados.
  •  Compreenda e vivencie a roda do ano: o ciclo de Sabbats se chama “Roda do Ano”. Celebrar todos os momentos é co-criar com a Deusa.
  • Faça rituais para a Deusa e para o Deus: é preciso não ter uma visão cristã das divindades, compreender o que simboliza o Deus de Chifres e por qual motivo a Deusa é a criadora de todas as coisas.

Conheça quais são os tipos de bruxaria:
http://https://www.iquilibrio.com/blog/2022/bruxas-2022/

5/5 - (2 votes)